abas2

Abas

domingo, 6 de setembro de 2015

Pedra Bonita


A Pedra Bonita é um monólito de gnaisse cujo ponto culminante situa-se entre os bairros de São Conrado e Barra da Tijuca, estando inserida dentro da Floresta da Tijuca no Rio de Janeiro, Brasil. O cume se situa a 696 metros de altitude tendo uma vista da Zona Sul e Oeste.

Além de excelente mirante, o local também abriga uma plataforma e uma rampa de salto muito utilizada por praticantes de voo livre.

Este pico é integrante do Parque Nacional da Tijuca (3.972 hectares) que é a quarta maior área verde urbana do Brasil, atrás apenas do Parque Estadual da Cantareira/SP (7.916,52 ha), da Reserva Floresta Adolpho Ducke/AM (10.000 ha) e do Parque Estadual da Pedra Branca/RJ (12.500 hectares).






A Floresta da Tijuca se caracteriza sendo uma vegetação secundária, uma vez que é fruto de um reflorestamento iniciado ainda na época do Segundo Reinado. O parque é dividido em 4 setores, sendo que o Pedra Bonita fica localizada no Setor C.

(Floresta da Tijuca em Setores)


Setor A: Floresta da Tijuca
Setor B: Serra da Carioca
Setor C: Pedra da Gávea e Pedra Bonita
Setor D: Covanca e Pretos Fornos


Por volta de 1567 foram concedidas as primeiras sesmarias, entre elas a de Manuel de Brito, que compreendia as terras que iam da Gávea até a Tijuca (planície da Barra), englobando também a Pedra Bonita. Porém, Manuel de Brito nada fez em sua sesmaria pioneira, sendo tornada sem efeito por Mem de Sá, o então Governador-Geral. A Pedra Bonita passou para uma linhagem de proprietários da família Sá, dos Visconde de Asseca, que no decorrer dos séculos venderam e partilharam pouco a pouco as terras da região.

Dizem as lendas, que o nome Pedra Bonita foi dado por um desses nobres que ao chegar ao seu topo e diante das magníficas paisagens em volta e da própria montanha, a chamou de Pedra Bonita.

No período do Império, a Pedra Bonita foi totalmente desmatada devido à demanda de madeira e carvão gerada pela expansão da cidade, ficando apenas alguns resquícios dessa floresta original em locais de difícil acesso. Com o abandono, esta área não passou pelo mesmo processo de recuperação que ocorreu na área da Floresta da Tijuca, causando o empobrecimento do solo, onde os nutrientes acabaram sendo carreados pela ação das chuvas e do vento.

Com o desmatamento, a área começou a ser ocupada por pequenos sítios e propriedades rurais e sua população no entorno cresceu consideravelmente. Existem vestígios desta época onde se encontram desde ruínas de construções coloniais, até construções mais recentes, incluindo áreas de plantio, muros de arrimo e artefatos enterrados. Nos sítios que foram surgindo na Pedra Bonita eram cultivados vários tipos de culturas entre alimentos e flores, e, comercializados nas feiras da cidade.

As trilhas eram originalmente utilizadas pelos moradores da região no trajeto até seus sítios: no início do caminho para a Pedra Bonita ainda se pode ver o calçamento original feito com pé-de-moleque. Com a abertura de estradas maiores, esses caminhos caíram em desuso. A principal trilha para a Pedra Bonita acaba por ser um antigo caminho colonial. 

Em 1967, com a transformação da área em Parque Nacional, além do declínio do valor comercial de algumas culturas lá existentes, a Pedra Bonita teve o seu número de moradores drasticamente reduzido, o que possibilitou o avanço de uma floresta secundária. 

Apesar do avanço, a floresta não conseguiu voltar a ocupar todos os espaços originais por razão de diversos fatores tais como: incêndios, ocupações ocasionais e pequenos desmatamentos. Por ser uma área muito exposta, os fortes ventos e baixa umidade favorecem incêndios que, associados ao solo empobrecido, dificultam o processo de reflorestamento. 

Hoje em dia ainda é possível ver grandes áreas cobertas por capim colonial e resquícios de plantações abandonadas. Atualmente ainda existem 15 hectares cobertos de capim, resquícios de várias culturas exóticas, árvores exóticas, plantações de flores e culturas de subsistência.

Por volta de 1974, um francês de nome Stefan Dunoyer de Segonzac chegou ao Rio com um verdadeiro objeto não identificado. O tal objeto, com aproximadamente 10 metros de comprimento, era uma asa-delta, logo chamada de ‘‘bacalhau’’.

O primeiro vôo realizado pelo francês foi no Cristo Redentor. Depois, procurando novos lugares para decolar, chegou a São Conrado, num antigo restaurante (que não existe mais) situado numa ponte em curva na Estrada das Canoas. A Pedra Bonita, logo ao lado, seria o próximo passo a conhecer e na Agulhinha foi feito o primeiro voo da Pedra Bonita, mas, pela dificuldade de acesso, foi logo abandonada.

(primeiro voo no Brasil)

Descobriram então um vale de encosta de frente para a Pedra da Gávea e voltado para São Conrado, nascendo assim a primeira estrutura de madeira, servindo de rampa de decolagem do Rio de Janeiro, a Rampa Antiga. 

Em novembro de 1975, quando já havia mais de uma dezena de pilotos, foi realizado o Primeiro Campeonato Brasileiro de voo Livre, em São Conrado. Com o crescente número de adeptos veio a necessidade de uma nova rampa. Esta foi construída no final da estrada de acesso à Pedra Bonita, estrada esta aberta pelo arquiteto Sérgio Bernardes, que pretendia construir uma residência neste local. O embargo da obra pelas autoridades gerou um dos mais famosos locais de prática de voo Livre em todo o mundo na atualidade.

Em dezembro de 1975, com o propósito de controlar o acesso dos praticantes, foi criada próximo à rampa da Pedra Bonita de asa delta a Associação Brasileira de Vôo Livre – ABVL, até hoje sediada no local. 



Em 2001, a Câmara Municipal do Rio de Janeiro decretou que a rampa utilizada por pilotos de asas-delta e parapentes seria denominada de rampa Maurício Klabin. Localizado a 524 metros de altitude, a rampa hoje em dia é um dos principais atrativos da cidade do Rio de Janeiro para praticantes de voo livre.


- A rampa de Voo livre da Pedra Bonita foi a primeira rampa de voo livre da cidade e é uma das mais famosas e movimentadas do mundo.

- A Pedra Bonita fica em frente à formação rochosa que deu fama à Pedra da Gávea, conhecida como a Cabeça do Imperador. O rosto, que parece esculpido na rocha, “olha” para a Pedra Bonita e, segundo uma das lendas mais difundidas no folclore carioca, é o que resta da efígie do Rei Fenício que teria tentado colonizar o Rio na antiguidade.


O clima é tropical atlântico e a média anual das temperaturas é de 23,8 °C. Por se tratar de uma cidade litorânea, o efeito da maritimidade é bastante perceptível, traduzindo-se em amplitudes térmicas relativamente baixas. A média anual das temperaturas médias máximas mensais é 27,3 ºC, e das médias mínimas mensais, 21 °C.

Os verões são marcados por dias quentes e úmidos, eventualmente suplantando a barreira dos 40 °C em pontos isolados, enquanto os invernos apresentam-se amenos e com regime de chuvas mais restrito, com mínimas raramente inferiores a 10 °C.


Todas as estações são boas para visitação à Pedra Bonita, porém deve-se tomar cuidado com o calor e as tempestades no verão.


Roupas leves, água, protetor solar, repelente e comidas frescas como frutas.


A Pedra Bonita fica localizada na Estrada das Canoas 3785 - São Conrado.

Apesar de haver ônibus que leve os turistas até o local, portanto ir de carro é a melhor opção e a subida pode ser realizada partindo do Bairro de São Conrado ou subindo o Alto da Boa Vista pela Tijuca ou Barra da Tijuca. 

Abaixo coloquei as principais maneiras de se chegar até lá:

  • Ônibus - Pra quem decidir ir de ônibus, a linha 448 (Maracaí x São Conrado) passa pela entrada da subida para o estacionamento. Embarque na Estrada da Gávea próximo da Paróquia São Conrado e a partir de lá devem subir uma estrada íngreme a pé até o estacionamento, onde fica o início da trilha para o pico da Pedra Bonita.  


  • Carro (via Barra da Tijuca) - Deve-se seguir pela Estrada das Furnas até a placa indicativa da Pedra Bonita e virar à direita na Estrada da Gávea Pequena. Seguir até uma bifurcação onde existe uma placa indicativa de São Conrado e virar à direita na Estrada da Pedra Bonita, onde se seguirá até a entrada da rampa para acesso à Pedra Bonita.


  • Carro (via São Conrado) - Deve-se seguir pela Autoestrada Lagoa-Barra, virar na Estrada das Canoas e seguir até a entrada da rampa para acesso à Pedra Bonita.


  • Carro (via Tijuca) - Deve-se seguir pela Avenida Édison Passos até a Rua Boa Vista. Seguir pela direita pela Estrada das Furnas até a placa indicativa da Pedra Bonita e virar à esquerda na Estrada da Gávea Pequena. Seguir até uma bifurcação onde existe uma placa indicativa de São Conrado e virar à direita na Estrada da Pedra Bonita, onde se seguirá até a entrada da rampa para acesso à Pedra Bonita.

OBS.: é possível estacionar subindo a rampa para início da trilha, porém o número de vagas é reduzido.





Se você tem medo de subir a carrasqueira da Pedra da Gávea, mas gostaria de uma vista similar, este lugar se chama Pedra Bonita!!!

Trata-se de um lugar que tem a vista parecida com a Pedra da Gávea, porém seu acesso é muito mais fácil, sendo considerada uma trilha média mas agradável e muitas vezes sendo feitas por famílias. Do estacionamento até o cume demora de 30 minutos a 1 hora e o visual compensa e muito a caminhada.

Por ser uma trilha fácil, o local costuma ficar cheio nos finais de semana e pode ser um transtorno estacionar pela região. O ideal é chegar no lugar cedo.

Não costuma ser difícil achar o estacionamento, pois sempre tem um bom fluxo de carros querendo subir a rampa até o estacionamento e também muitos carros com equipamentos de voo podem ser vistos subindo e descendo a todo momento.

Seguimos em direção ao local pelo Alto da Boa Vista e surpreendentemente conseguimos estacionar lá em cima. 

Antes de começarmos a subir pela trilha, fomos em direção ao voo livre local.




Chegando lá encontramos uma placa com informações sobre o local.




O fim de semana estava cheio de profissionais de voo e com muitos turistas realizando voo de asa delta.


(pista de voo de asa delta)

A rampa parecia curta, mas os voos estavam rolando sem problema.


(rampa de voo de asa delta)

Logo abaixo da rampa se localizava a pista de parapente. Dali já dava para ter uma noção da bela vista da Pedra Bonita.


(pista de voo de parapente)

Após observar alguns voos e apreciar esta linda paisagem, resolvemos iniciar a trilha. Voltamos no estacionamento e descemos um pouco até onde existe uma guarita e a placa de informação sobre a trilha.


(guarita para o início da trilha)

E esta é a foto da placa de informação sobre a trilha.


(placa informativa da Pedra Bonita)

Logo ali do lado se iniciava a trilha para a Pedra Bonita. Assim, iniciamos a nossa caminhada de 1.340 m até o cume.


(início da trilha ao lado da guarita)

A trilha possui alguns pontos íngremes, mas nada como um descanso entre uma subida e outra para recuperar o fôlego e as energias. 

Chegando lá nos demos conta de que a trilha não era nada comparado ao visual.

(vista da Pedra Bonita)

Logo de cara vimos a Pedra da Gávea ao fundo.

(Pedra da Gávea vista da Pedra Bonita)

Era hora da primeira foto do grupo.



De lá era possível ter uma bela vista de São Conrado.


(vista de São Conrado)

De outro ângulo...



De lá de cima também era possível ver pessoas sobrevoando a cidade de asa-delta e parapente.



Um dos maiores atrativos também é ter a melhor vista da Pedra da Gávea e o seu formato de rosto.



Nada como brincar com o "rosto" a pedra.



Eu até tentei, mas não consegui chegar ao seu tamanho.




É possível observar  a Pedra da Gávea de vários ângulos.




Sentar e conversar com um visual desse não tem preço.



Nesta pedra registrei a primeira trilha com mamãe. =)



O platô é grande e era possível caminhar por toda a extensão da Pedra Bonita.




A vista do outro lado não era nada mal né!?



Chegamos a se perder em tanta beleza.



Difícil era escolher qual o melhor lado para se apreciar. #lifeaholic



Com belas vistas dos dois lados, não resisti e fui tirar logo uma panorâmica.



Um pouco de descanso com esta vista não é nada mal também.



É...descansar até que foi uma ótima ideia.



Hora da última foto do grupo para descer de volta.



Antes de ir para casa, nada melhor que parar e comer uma pizza para repor as energias né!?





Bem, com isso chego ao final da postagem e espero que tenham gostado!!!




Até a próxima aventura!



6 comentários:

  1. Caramba brother! Só fotão, parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo blog.
    Muito bem pensado e realizado.
    Isso ajuda muito.
    As fotos são excelentes. Muito boas mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Pacífico!! Fico muito feliz em poder ajudar os próximos aventureiros a visitarem o lugar.

      Grande abraço!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...