abas2

Abas

terça-feira, 5 de maio de 2015

Pedra da Tartaruga




A Pedra da Tartaruga fica localizada na Serra de Guaratiba, Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro, no estado do Rio de Janeiro, no Brasil. É uma formação rochosa que lembra o formato de uma tartaruga e possui 98 metros de altitude.

Localizada entre as praias de Grumari e Barra de Guaratiba, deste local é possível avistar as chamadas praias selvagens, que incluem a praia dos Búzios, Perigoso, Meio, Funda e Inferno. É comum a prática de rapel na "cabeça da tartaruga" organizadas por algumas empresas credenciadas a realizar tal atividade.

Este local é integrante do Parque Estadual da Pedra Branca (12.492 hectaresque é a maior área verde urbana do Brasil e possivelmente o maior parque natural urbano do mundo. Para se ter noção, esta área é quase 3 vezes maior que o Parque Nacional da Tijuca. O ponto mais alto do Parque, o Pico da Pedra Branca, é também o ponto culminante da cidade do Rio de Janeiro com 1.024 metros de altitude. 



O Parque Estadual da Pedra Branca foi criado em 1974 e ocupa um pouco mais de 10% do território do município do Rio de área coberta por vegetação típica da Mata Atlântica. Fica localizado na Zona Oeste do município do Rio de Janeiro, em partes de 17 bairros: Jacarepaguá, Taquara, Camorim, Vargem Pequena, Vargem Grande, Recreio dos Bandeirantes, Grumari, Padre Miguel, Bangu, Senador Camará, Jardim Sulacap, Realengo, Santíssimo, Campo Grande, Senador Vasconcelos, Guaratiba e Barra de Guaratiba.

(área do Parque Estadual da Pedra Branca)

Existem diversas entradas do parque, porém, os principais núcleos para se chegar aos atrativos são:

  • Núcleo Pau da Fome (Taquara)
  • Núcleo Piraquara (Realengo)
  • Núcleo Camorim (Jacarepaguá)



A história do Parque Estadual da Pedra Branca começa em 1963, onde ficou estabelecido por decreto a utilização integrada do Maciço, declarando utilidade pública para fins de desapropriação das terras que integravam a região, com o objetivo de preservar os mananciais da cidade.

Em 1972 foi criado um grupo de trabalho para propor as medidas necessárias à criação do Parque. O relatório contemplou no conteúdo aspectos socioeconômicos, clima, ocupação, estado da cobertura vegetal, aspectos relativos ao patrimônio histórico, artístico e arqueológico da região do Maciço, sugerindo delimitação, nominação, aspectos administrativos e financeiros, atribuições do Estado e da União, possibilidade de convênios e indicando medidas para elaboração do plano diretor.

Após todo esse processo em 28 de Junho de 1974 o Parque foi finalmente criado, por meio da Lei Estadual nº 2.377. Já em 1988, as autoridades municipais resolveram transformar a área do parque em APA, para assim combater a erosão, a poluição, as invasões, a devastação da mata e o crescente processo de favelização da área que circunda o maciço.



OBS.: Por estarem na área do Parque Estadual da Pedra Branca - Reserva Biológica de Guaratiba, são tombadas e até mesmo o camping é proibido. As 5 praias desertas ficam na Ponta de Guaratiba, composta pelo Morro do Telégrafo e pela Pedra da Tartaruga.




- Na trilha para a Pedra da Tartaruga existem 5 (cinco) praias que são consideradas selvagens devido a ausência de ação humana em seu entorno, são elas: Búzios, Perigoso, Meio, Funda e do Inferno. 

- As praias selvagens de Guaratiba já serviram como posto avançado para a invasão da cidade do Rio de Janeiro pelo corsário francês Jean-François Duclerc. O primeiro ataque ao Rio foi rechaçado pelas fortalezas de Santa Cruz e São João, na entrada da Baía de Guanabara, fazendo com que Duclerc se dirigisse a Ilha Grande, no sul do estado, onde saqueou engenhos de açúcar. 

Na volta, desembarcou com 1000 homens nas praias da ponta de Guaratiba. As forças de Portugal defenderam a cidade, mas Duclerc era nobre e não pode ser preso: terminou assassinado pelo oficial da guarda que o mantinha sob custódia, no que acredita-se ter sido crime motivado por ciúmes da relação entre Duclerc e a esposa deste oficial. 

Anos depois, Duguai-Trouin, outro corsário francês, alegando direito de vingança pela morte de Duclerc, conseguiu passar pelas fortalezas aproveitando a névoa matinal e tomou a cidade, causando muitas mortes e impondo um pesado resgate.


O clima é tropical quente e úmido, onde a estação chuvosa se dá entre dezembro a março e a estação seca entre junho a setembro. A média anual das temperaturas é de 23 °C enquanto que a média de precipitação anual é de 1200 mm.




Todas as estações são boas para visitação até a Pedra da Tartaruga, porém deve-se tomar cuidado com o calor e as tempestades no verão.




Roupas leves, protetor solar, água e comidas frescas como frutas.




Existem duas maneiras principais de se chegar até Barra de Guaratiba:


  • Ônibus: duas linhas para barra de guaratiba
  1. 387 - Carioca e Marambaia
  2. 867 - Terminal Rodoviário de Campo Grande e Barra de Guaratiba

  • Carro: seguir pela Avenida das Américas na Barra da Tijuca, passando pelo Recreio dos Bandeirantes e pela Serra da Grota Funda, no final da serra siga a esquerda sentido Barra de Guaratiba e procure um estacionamento (tarefa nada fácil).







A trilha começa no final de Barra de Guaratiba, por trás do último morro que pode ser visto no final do litoral. O acesso inicia dentro de uma colônia de pescadores e para se chegar à trilha suba a ladeira que começa no final da rua Parlon Siqueira (Praia de Barra de Guaratiba), e, depois de uns 15 minutos de subida nessa ladeira é que realmente se inicia a trilha. A trilha é considerada leve pois não existem muitos obstáculos ou dificuldades e dura em torno de 45 minutos a 1 hora.

Assim que estacionamos o carro, fomos então subir a escada. Confesso que o início cansa bastante se você não tiver preparado, mas assim que acabamos de subi-las, vimos o início da trilha.

Andamos então pela trilha que é bem marcada e vai contornando o litoral da Barra de Guaratiba, sempre com o mar do lado direito da trilha. A trilha é bem fácil de se fazer pois não existe nenhum subida ou descida íngreme, ou quaisquer obstáculos que possam te colocar em dificuldade, então, fomos andando com calma e admirando a paisagem.

Depois de mais ou menos 30 minutos na trilha, avistamos finalmente a Pedra da Tartaruga ao longe.

(Pedra da Tartaruga)

Como sol estava forte, paramos para beber uma água e contemplar a paisagem ao redor.

DICA: É imprescindível o uso de protetor solar, pois a vegetação é baixa e não existe quase nenhuma cobertura vegetal que possa oferecer proteção da luz do Sol




Assim que voltamos a nossa caminhada, visualizamos uma ilha próxima ao litoral de Barra de Guaratiba, a Ilha Rasa.

(Ilha Rasa)

Andamos por cerca de 10 minutos e encontramos uma sombra finalmente, hora de beber água e tirar mais fotos.



Voltamos a caminhar até chegarmos perto da Pedra da Tartaruga, onde existia uma bifurcação. Descemos então a trilha à direita, pois a trilha principal leva para as praias selvagens.

Descemos na trilha até chegarmos a praia dos Búzios. Uma praia pequena com muitas pedras ao redor, onde se tinha a vista da Pedra da Tartaruga e da Ilha Rasa.

(Praia dos Búzios)

Chegamos no ponto em que a trilha iria começar a subir novamente em direção a cabeça da Tartaruga.

(visual da Pedra da Tartaruga)

Subimos por cerca de 10 minutos até a cabeça, totalizando 1 hora de trilha. Lá de cima o visual das praias selvagens era lindo demais.

(visual de cima da Pedra da Tartaruga)

A primeira praia que visualizamos era a praia do Perigoso. Contam os moradores mais antigos da Barra de Guaratiba que um bandido se refugiou naquela praia durante longo tempo.Não se sabe o que aconteceu com o bandido, mas desde então a praia ficou conhecida como Perigoso.

(praia do Perigoso)

Ao lado desta praia avistamos a praia do Meio, com 350 metros de areia branca encravada na região da Barra de Guaratiba, entre a do Perigoso e a Funda.

(praia do Meio)

A praia Funda não da para se avistar de cima da Pedra da tartaruga, pois ela fica escondida atrás do pequeno morro da praia do Meio. Ao longe avistamos a praia do Inferno e até Grumari.



Hora da foto do grupo!!!



Ali na pedra existem pequenas trilha com um visual bonito das praias em ângulos diferentes.



Chegamos em outro ponto com uma perspectiva diferente do lugar.



Descansamos por cerca de 30 minutos ali me cima e depois fomos em direção a praia do Perigoso, afinal em um dia lindo como este, uma praia não é nada mal né!?

Pegamos a trilha de volta e seguimos pela principal, isso dá em torno de 10 minutos até chegar na praia do Perigoso. De lá se tem uma outra vista da Pedra da Tartaruga.

(visual da praia do Perigoso)

Na Pedra da Tartaruga é muito comum a prática de rapel, onde se desce a cabeça da Tartaruga com um grau negativo. O rapel possui um início em uma descida em formato de rampa por 5 metros. Logo após, há uma pequena descida na vertical em contato com a rocha por cerca de 3 metros, onde logo em seguida se perde totalmente o contato com a rocha (rapel negativo) por mais 38 metros.

(cabeça da Tartaruga com a corda do rapel em sua ponta)

Entre a praia do Perigoso e a praia do Meio eu pude avistar uma formação curiosa, lembrando uma tartaruga, seria a Pedra da Tartaruguinha??? Veja a foto e me digam se concordam comigo.




Com isso chego ao fim da postagem. Espero que tenham gostado!


Até a próxima aventura!

5 comentários:

  1. Respostas
    1. Muito legal!!! E é fácil de se chegar, vale muito a pena.

      Excluir
  2. Muito irado ai.
    E muito tranquilo de ir.
    Pena que poucas pessoas, por desinformação não vão.
    Foi irado esse dia.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma pena mesmo. Mas quem sabe através deste blog as pessoas irão conhecer este lugar.

      Excluir
  3. Toppp fui quero voltar
    Se alguém tiver um grupo para acampar me avisa. Jaquebarros.minhau@hotmail.com
    Agradeço

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...