abas2

Abas

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Costão de Itacoatiara (Morro do Tucum)

(Fonte: Google)
O Costão de Itacoatiara ou Morro do Tucum fica inserido dentro da Serra da Tiririca, localizado no município de Niterói (próximo a praia de Itacoatiara), no estado do Rio de Janeiro, Brasil. É o ponto mais frequentado pelos trilheiros no Parque Estadual da Serra da Tiririca, elevando-se a 217 m acima do nível do mar. 

O Parque Estadual da Serra da Tiririca se caracteriza como uma vegetação secundária e possui 3.568 hectares, abrangendo as regiões Leste e Oceânica do município de Niterói e parte do bairro de Itaipuaçu, pertencente ao município de Maricá.


(limites do Parque Estadual da Serra da Tiririca)

No início da colonização européia no Rio de janeiro, a região era habitada por tribos Tamoios e, em meados do século XVI, os Jesuítas construíram edificações para a catequese dos índios em Itaipu.

Já no início da década de 80, houve o crescimento urbano desenfreado sobre a floresta nativa e loteamento ilegal das terras. Os caçadores de animais silvestres e os desmatadores eram os principais agressores da fauna e flora local, sendo alvo das primeiras denúncias contra as agressões à Serra da Tiririca. 

Este fato deu origem a uma forte mobilização popular, que reuniu dentre outros, grupos ambientalistas, associações de moradores e moradores da região sem vínculos associativos, para a criação do Parque Estadual da Serra da Tiririca. 

O Parque Estadual da Serra da Tiririca foi então criado pela Lei Estadual nº 1.901, de 29 de novembro de 1991 por intermédio do então Deputado Estadual Sr. Carlos Minc. Este foi o resultado de uma experiência pioneira no Brasil, pois em vez dos parques serem criados por iniciativa do governo, a proposição e todo o projeto do Parque foi desenvolvido por iniciativa da sociedade civil. 



Em 1992 o Parque Estadual da Serra da Tiririca foi declarado "Reserva Mundial da Biosfera" pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.


Em 2008, o parque teve o perímetro ampliado, incluindo áreas de elevado valor ambiental como o Morro das Andorinhas e parte do entorno da laguna de Itaipu, local com presença de sítios arqueológicos. Porém, seu perímetro definitivo foi estabelecido em 2012, com a incorporação de 1.241 hectares da Reserva Municipal Darcy Ribeiro, as ilhas Pai, Mãe e Menina e o Morro da Peça e passando a abranger uma área de aproximadamente 3.493 hectares. 


- Antigamente a Serra da Tiririca era conhecida como Serra de Inoã ou de Maricá, como consta em relatos antigos. O atual nome está relacionado com a passagem de tropas de burros que atravessavam a Serra por um caminho cheio de plantas da família das Cyperaceaes chamadas popularmente de Tiriricas.


- No século XIX, a região atualmente abrangida pelo parque foi visitada pelo naturalista inglês Charles Darwin, o que contribuiu para a formulação, por este, da teoria da evolução das espécies.

- A criação deste parque distingue-se de outras áreas de conservação no país por ter sido o único parque estadual criado por vontade e iniciativa popular, que se juntaram a uma comissão, integrada por órgãos públicos e entidades ambientalistas, onde elaboraram e delimitaram o parque.

- O Costão também é uma ótima opção para os mais aventureiros, pois existem muitas vias para escaldas, do lado Oeste são mais ou menos 12 vias e 3 vias na face Leste do Costão.


(vias de escalada no Costão de Itacoatiara)

O clima é tropical quente e úmido, onde a estação chuvosa se dá entre dezembro a março e a estação seca entre junho a setembro. A média anual das temperaturas é de 23 °C enquanto que a média de precipitação anual é de 1200 mm.


Todas as estações são boas para visitação ao Costão de Itacoatiara, porém deve-se tomar cuidado com o calor e as tempestades no verão.


Roupas leves, protetor solar, água e comidas frescas como frutas.


A entrada da trilha do Costão fica localizada próximo a praia de Itacoatiara. Portanto, é mais fácil chegar até a praia e existem algumas maneiras de se chegar até este local:

  • Ônibus - existem duas opções:

  1. Saindo do Rio de Janeiro: partindo do Terminal Rodoviário Menezes Cortes, no Centro do Rio de Janeiro, você pode pegar ônibus da linha 770D (Castelo x Itaipu) da viação Pendotiba. Terá que descer na entrada de Itacoatiara, no ponto perto de e a uma guarita policial. Desse ponto você pode ir andando até a praia, uns 10 minutos caminhado.
  2. Saindo de Niterói: partindo do Terminal Rodoviário que fica em frente à estação das barcas de Niterói, você pode pegar o ônibus da linha 38 (Centro x Itaipu). Terá que descer na entrada de Itacoatiara, no ponto perto de e a uma guarita policial. Desse ponto você pode ir andando até a praia, uns 10 minutos caminhado.

  • Carro - Saindo do Centro do Rio, pegar a Ponte Rio-Niterói e sempre seguir as placas de Região Oceânica. O percurso do Centro de Niterói até a Praia de Itacoatiara leva 45 minutos, sem trânsito.
  • Barcas - Pegar uma barca na Praça XV sentido Niterói e depois pegar o ônibus da linha 38 (Centro x Itaipu) no Terminal Rodoviário que fica do lado da estação das barcas. Terá que descer na entrada de Itacoatiara, no ponto perto de e a uma guarita policial. Desse ponto você pode ir andando até a praia, uns 10 minutos caminhado.





    A subida do Costão de Itacoatiara é a trilha mais famosa que existe em Niterói e isso se deve muito a bela vista e ao trajeto curto. Apesar disto, a trilha acaba sendo um pouco íngreme assim que começa a subir literalmente a pedra e exige certo cuidado.

    A trilha possui um trajeto de 2 km (considerando ida e volta) e muitos apreciadores vão lá para curtir o pôr do sol. Como cheguei a ir em dois momentos distintos, vou colocando fotos tanto do sol a pino (meio dia), quanto do pôr do sol.

    O ponto de começo se encontra logo perto da praia de Itacoatiara, uma das mais famosas e bonitas praias de Niterói.
      Assim que chegamos nela, dava para ver o que nos esperava, um paredão de 215 metros de altura!!!



      Ficamos pouco tempo lá e já nos aprontamos para subir o Costão. Assim, chegamos até a entrada da trilha, que fica localizada perto do final da praia de Itacoatiara.




      Começamos então nossa trilha, que começava perto de umas casas e depois ia chegando para o mato. Esta trilha costuma ter a duração por volta de 30 minutos.





      Esta parte da trilha não possui maiores níveis de dificuldades, durando em torno de 10 minutos até chegar a esta placa onde mostra a bifurcação para o Morro do Costão e para a Enseada do Bananal.



      Hora da primeira foto do grupo.




      Agora a subida começava para valer, pois a parte íngreme começava.




      O paredão pode até assustar de início, mas o segredo é ir pelo canto esquerdo da trilha como na foto acima, pois ali existem plantas para poder se apoiar e o caminho é um pouco menos íngreme, facilitando o rumo ao topo.

      Subindo o caminho, já era possível visualizar melhor a Pedra do Elefante (Alto Mourão).


      (Pedra do Elefante)


      Também já era possível ver Itacoatiara ao fundo...



      E a subida continuava...



      Pausa para o descanso, digo, pausa para a foto.



      No final da trilha a pedra ia se tornando menos íngreme e já era possível ver a praia de Itacoatiara ao fundo.





      Chegamos!!!





      Olha esta vista!! Um lindo lugar realmente.





      Agora era hora de curtir o pôr do sol.




      Já estava ali a postos esperando o sol baixar.



      Estava ficando bonito. Muitas pessoas chegam no final do dia para curtir este momento também. Sorte que a Pedra é bem grande para comportar o pessoal.




      Mais ao fundo dava para ver o Rio de Janeiro sob outra perspectiva.




      Com o tempo passando, o jeito era tentar se divertir de alguma maneira né!? Pode ser tentando pegar o Sol?



      E ele ia descendo e enfeitando a paisagem.



      Que coisa né!?



      Estava ficando lindo demais.



      Uma bola amarela no céu...



      Avermelhando o seu redor...



      Quase finalizando o nosso dia.



      Realmente uma coisa espetacular!



      A última imagem para guardar na memória.



      É isso pessoal, espero que tenham gostado.

      Até a próxima aventura!

      Nenhum comentário:

      Postar um comentário

      Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...